Calendário 2020



Dia de Beato Daniel Aleixo Brottier próximos anos




28
Fevereiro de 2018 ( Quarta-feira ) - Dia de Beato Daniel Aleixo Brottier
28
Fevereiro de 2019 ( Quinta-feira ) - Dia de Beato Daniel Aleixo Brottier
28
Fevereiro de 2020 ( Sexta-feira ) - Dia de Beato Daniel Aleixo Brottier
28
Fevereiro de 2021 ( Domingo ) - Dia de Beato Daniel Aleixo Brottier
28
Fevereiro de 2022 ( Segunda-feira ) - Dia de Beato Daniel Aleixo Brottier

O Dia de Beato Daniel Aleixo Brottier é comemorado no dia 28 de fevereiro.

Daniel Aleixo Brottier foi um padre espiritiano, integrante da Congregação do Espírito Santo, que nasceu em 7 de setembro de 1876 e faleceu em 28 de fevereiro de 1936, tendo vivido a maior parte de sua vida na França. Daniel foi beatificado pelo Papa João Paulo II em 1984. O dia 28 de fevereiro é consagrado à sua memória na Igreja Católica.

A vida do Beato Daniel Aleixo Brottier

O Beato Daniel Aleixo Brottier foi missionário por sete anos no Senegal, alistou voluntariamente na Primeira Guerra Mundial como capelão nas linhas de frente, foi condecorado com a Cruz da Guerra e com a Legião de Honra, foi diretor da Casa dos Órfãos Aprendizes de Auteuil e fundou a União Nacional dos Antigos Combatentes, que chegou a ter dois milhões de associados.

Uma vida tão frutífera em torno da busca pela paz teve início na diocese francesa de Blois, onde Daniel nasceu. Desde criança, sempre manifestou seu caráter caridoso e sua profunda religiosidade.

Em 1890, Daniel entrou para o seminário, dedicando-se aos estudos e à vida de oração, passando pelas ordenações menores e fazendo por um ano o serviço militar. Com 23 anos de idade já estava consagrado sacerdote.

Seu ministério teve início como professor, num colégio eclesiástico próximo a Paris. No entanto, logo sentiu despertar sua vocação particular para a vida missionária.

Assim, no ano de 1902, ingressou na Congregação do Espírito Santo, onde emitiu seus votos perpétuos depois de um ano de atividade pastoral. Atuando como padre espiritiano e missionário, solicitou aprovação para pregar e prestar serviços no Senegal, na época colônia francesa na África, onde dedicou-se a pregar e a cuidar dos pobres e carentes.

Três anos após chegar ao Senegal, foi acometido por uma grave doença, precisando retornar definitivamente para a França. Contudo, não abandonou sua missão de missionário.

Já na França, depois de curado, fundou a obra do Memorial Africano, que tinha como objetivo construir uma catedral em Dakar, capital do Senegal. Para conseguir seu intento, solicitou ajuda, e a obteve, do bispo de Dakar, também padre espiritiano. Assim, foi nomeado vigário-geral de Dakar, mantendo residência em Paris e se tornando diretor da Catedral-Monumento.

Padre Daniel aceitou com entusiasmo a missão confiada pelo seu bispo, cumprindo suas tarefas sempre com zelo e dedicação. Para levar a cabo seus intentos e seguir as ordens do bispo, organizou o seu secretariado e instalou um serviço de relações públicas.

Com seu trabalho, acabou por envolver no seu projeto um grupo de personalidades influentes, conseguindo também o apoio da maior parte dos cristãos da França. Depois de meses de um trabalho persistente, formou uma rede de amigos solidários com sua ideia que ocupou toda o território francês.

Nessa época, em 1914, eclodiu a Primeira Guerra Mundial e o trabalho precisou ser interrompido. Para oferecer sua ajuda, alistou-se como voluntário, sendo designado como capelão militar, com a missão de atuar na linha de frente.

Nos quatro anos em que durou a guerra, sua missão foi cuidar de feridos, assistir os moribundos, oferecer assistência espiritual a todos os soldados e vítimas. Tornou-se um capelão lendário, mostrando arrojo e ponderação, tomando sempre atitudes corajosas, embora prudentes e, com isso, virou amigo e confidente de soldados e oficiais.

No final da guerra, ganhou as condecorações de Oficial da Legião de Honra e a Cruz de Guerra.

Terminada a guerra, a partir de 1919, o padre Daniel retomou o seu apostolado missionário com toda a energia, voltando a dar atenção ao projeto da Catedral de Dakar.

No ano de 1923 sentiu que era hora de se dedicar a mais um projeto, fundando a Casa dos Órfãos Aprendizes de Autenil, ocasião em que passou a ser chamado de Pai dos Órfãos.

Diante do grande trabalho que estava fazendo o Cardeal de Paris o nomeou diretor da Casa dos Órfãos, onde tornou-se educador, conseguindo, com o tempo, abrigar cerca de 1.400 jovens carentes e abandonados, muitos órfãos de guerra, sem nunca ter dispensado qualquer um que lhe batesse às portas.

A seguir, ainda fundou a União Nacional dos Antigos Combatentes, associação que conseguiu reunir perto de dois milhões de associados.

Daniel Aleixo Brottier, muito mais do que um apóstolo, também se mostrou um homem com visão empresarial, sempre inovador e atuante, embora não tivesse deixado de ser contemplativo e dedicado à sua missão de apóstolo.

Mostrou-se um padre moderno, um religioso inserido no seu tempo. Seu projeto para a Catedral de Dakar foi concretizado em 2 de fevereiro de 1936, 26 dias antes de sua morte. 





Política Privacidade

CalendárioBr 2019 - todos os direitos reservados


X

Receba grátis semanalmente em seu e-mail um resumo com as datas mais importantes. CalendárioBr, cadastre-se!


Agora não, obrigado!